Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

25/11/2012

Blake e Mortimer - O Juramento dos Cinco Lordes













O Juramento dos Cinco Lordes, 21.º álbum das aventuras de Blake e Mortimer chegou às livrarias nacionais no passado dia 16 de Novembro, numa edição da ASA lançada em simultâneo com a francófona, tendo como grande novidade a interacção dos heróis criados por Edgar P. Jacobs com uma personagem real, o aventureiro Lawrence da Arábia.
Parte da tiragem da edição portuguesa tem uma capa variante criada especialmente para o nosso país, para venda exclusiva nas lojas FNAC.
Nono álbum após a morte de Jacobs e quinto assinado por Yves Sente e Andre Juillard, apresenta como curiosidade a ausência de Olrik, o grande adversário da fleumática dupla britânica, e a sua acção situa-se entre A Marca Amarela e O Caso do Colar, marcando o regresso dos heróis a Inglaterra, depois de nas últimas aventuras terem percorrido boa parte do globo. Nele é também desvendada parte da juventude de Francis Blake, como chegou a capitão dos serviços secretos ingleses e o papel decisivo que teve no desaparecimento de Lawrence da Arábia, cuja morte num acidente de mota, em 1935, ficou envolta em mistério.
No mercado francófono, este é um dos lançamentos mais aguardados do ano e será com certeza um dos best-sellers de 2012, tendo uma tiragem inicial de 450 mil exemplares, bem como uma segunda edição no formato de tiras. A importância deste lançamento pode ser também aferida pelo facto de ter sido publicado em tiras diárias nos jornais Ouest-France e Le Soir durante o verão e pelas exposições que lhe são agora dedicadas em Paris, Bruxelas e Neuchatel.
O grande mediatismo da edição foi aumentado pelo processo recente que opôs a Media Participations, detentora dos direitos de Blake e Mortimer, à editora Delcourt, que anunciara para 7 de Novembro o lançamento de La Marque Jacobs, uma biografia não autorizada em BD do criador da dupla de heróis. Na origem da queixa esteve a eventual existência de demasiados elementos ligados à obra de Jacobs na capa do livro, da autoria de Rodolphe e Louis Alloing, o que configuraria uma situação de plágio e não de citação. A justiça francesa foi célere na sua decisão, não dando razão aos queixosos, pelo que La Marque Jacobs foi lançada no passado dia 14. Na prática, foi uma publicidade extra para os dois álbuns que deve ter caído bem a ambas as editoras.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 23 de Novembro de 2012)




2 comentários:

  1. Sinceramente, achei este album uma decepção total. Este album está longe da riqueza dos albuns de Jacobs e é nefasto para a obra deste. A quantidade absurda de mortes que ocorrem e a forma como as mesmas são tratadas, a história pouco rica, pouco vibrante, até infantil, sem um rico contexto histórico, arqueológico ou cientifico e a aventura e suspense que nos prendem quando lemos um album do Jacobs, um desenho pobre e que descaracteriza os personagens. Em suma um argumento pobre e simplório com um desenho amador fazem deste album o pior de todos os albuns do Blake & Mortimer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo,
      Se partilho a decepção com o traço de Juillard - que é capaz de fazer muito melhor, como já o demonstrou - confesso que não desgostei do argumento, embora privilegie em exclusivo o tom policial.
      E achei que a ancoragem na realidade, através da presença de Lawrence da Arábia, foi uma mais-valia.
      Mas enfim, gostos não se discutem...
      Obrigado pela sua participação!
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...