Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

04/10/2012

O Gato do Rabino #4/#5

Paraíso Terrestre
Jerusalém de África
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Joann Sfar
ASA (Portugal, Agosto de 2012)
295 x 220 mm, 136 p., cor, brochado com badanas
21,90 €
 
 
Resumo
Este volume duplo, que inclui “O Paraíso Terrestre” e “Jerusalém de África”, assinala o regresso do gato do rabino. E também do rabino, dono do gato, da filha deste rabino, do marido da filha do rabino, do Malka dos leões e dos leões do Malka. Que conhecem um russo que só fala russo e que apareceu dentro de um caixote e de uma bela negra que se vai apaixonar por ele. Juntos, atravessarão todo o continente africano, discorrendo sobre todos os assuntos possíveis e imaginários.
 
Desenvolvimento
Através deles, sob esta capa aparentemente absurda e irreal, Sfar aproveita para falar sobre amor, amizade, respeito, morte, Deus, religião, oportunismo (e como estão interligados estes dois…), ódio racial, política… e tudo o mais que surge a talhe de foice.
Fá-lo de forma terna, emocional ou mais colérica, por vezes em tom sentido, outras com um assinalável humor, levantando questões existenciais que todos, num momento ou outro, temos que enfrentar.
Fá-lo de uma forma enganadoramente leve e descontraída, pois qualquer leitor atento se verá obrigado a parar para reflectir ou mesmo a voltar atrás para reler novamente.
Narrado de forma extremamente fluente – que provoca o tal tom (enganoso) de ligeireza – é mais um exemplo da superior capacidade de Sfar para contar histórias aos quadradinhos, com diálogos e desenhos a encadearem-se e a arrastarem o leitor, quase sem ele dar por isso, por um universo a um tempo credível e irrealista.
Com Sfar, as personagens caminham pelas ruas de Argel, viajam de camião pelo deserto, jantam num oásis ou atravessam África em busca de uma cidade perdida, tendo os mais surpreendentes encontros, entre os quais um jovem repórter belga de todos bem conhecido…
 
A reter
- O talento narrativo de Sfar.
- A facilidade com que utiliza os quadradinhos para colocar questões incómodas e obrigar o leitor a reflectir sobre “temas sérios”.
- A edição em volume duplo da ASA, que completa assim – em apenas um ano e - em 2 volumes esta série, que na origem teve 5 álbuns. Com o mérito extra de agora ter emulado o formato e a apresentação do volume inicial, incluído na colecção “Os Incontornáveis da Banda Desenhada”, uniformizando a edição da série. De parabéns, portanto.
 
Menos conseguido
- Um final que embora lógico, surge algo apressado e forçado, dando a sequência final a sensação que Sfar se cansou da narrativa
- O anúncio de um novo tomo que, feito em 2006, ainda não saiu (em França) e possivelmente nunca sairá.
 
 


2 comentários:

  1. Paulo Pereira4/10/12 21:59

    Boa noite, a propósito de novas edições, creio que o jornal Público vai voltar "à carga" com mais uma edição dos heróis da Marvel...
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa noite Paulo,
      Sim, vem aí uma extensão da colecção, com alguns títulos bem interessantes.
      Logo que tenha luz verde da Levoir, divulgarei pormenores aqui no blog.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...