Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

05/10/2012

Capitán América - El peso de los sueños


 

 

  

Colecção Marvel Deluxe
Capitán América #6
Ed Brubaker (argumento)
Steve Epting, Butcht Guice e Mike Perkins (desenho)
Frank D’Armata (cor)
Panini Comics (Espanha, Maio de 2012)
175 x 265 mm, 152 p, cor, cartonado
16,00 €

 

Resumo
Compilação dos comics Captain America vol. 5, #31 a #36 da edição original norte-americana, mostra quem substituiu o Capitão América ao mesmo tempo que decorrem as investigações para saber quem esteve por detrás do seu assassinato.
 
Desenvolvimento
Depois de o volume anterior – “Capitán América #5: La muertedel Capitán América” – ter mostrado a morte do maior símbolo da América, no que aos comics diz respeito, e como isso afectou não só os que lhe eram mais próximos mas também, a população em geral, neste novo tomo Brubaker continua a explorar esse conceito, a diversos níveis.
Se é óbvio que a ideia inicial foi desde sempre substituir ou de alguma forma fazer ressuscitar o herói caído – é assim que a morte funciona no universo Marvel – o desenrolar do argumento, consistente e bem estruturado, com uma linha condutora forte e bem definida, leva a adiar esse (inevitável) regresso para bem dos leitores. Na verdade, isto permite que a intriga se desenvolva em diversos locais e em diversos contextos, tornando-a mais densa e estimulante, pois são várias as questões em jogo: recuperar o corpo do herói falecido, encontrar Sharon Stone a sua presumível assassina, acompanhar a evolução de Bucky Barnes como a nova encarnação do justiceiro, seguir a evolução da desesperada situação económica dos EUA e a ascensão política do senador Wright, desvendar até que ponto o dr. Fausto domina muitos dos intervenientes, impedir o seucesso dos planos orquestrados pelo Caveira Vermelha.
Mantendo um tom próximo do registo de espionagem e de policial negro, a narrativa tem neste tomo um significativo acréscimo das cenas de acção, depois do tom mais introspectivo do volume anterior. Assente na indefinição de Bucky Barnes quanto a assumir o (pesado) uniforme do Capitão América, privilegia os diversos confrontos entre ele, o Falcão, a Viúva negra e os operacionais da SHIELD, contra os seguidores do Caveira Vermelha e do dr. Fausto. Este último, assume um papel determinante em toda a trama, que só será entendido em toda a sua magnitude no terceiro e último volume, “El hombre que compró América”.
Bastante positiva é a utilização do suporte televisivo como instrumento narrativo e o facto da estratégia do vilão para ascender ao poder combinar o habitual lado violento com a intriga económica e política, o que reforça o realismo e a credibilidade do argumento, assim mais alicerçado em aspectos do nosso quotidiano.
Como última nota, a quem quiser e puder, sugiro uma comparação entre os níveis de violência apresentados por este novo Capitão América (e pelo relato em geral) com os que se podem ver, por exemplo, no (bem mais ingénuo) volume da colecção Heróis Marvel dedicado ao Capitão América, como reflexo de adequação dos quadradinhos a novos tempos – e à realidade.
 
A reter
- De novo a superior capacidade narrativa de Ed Brubaker…
- … e o trabalho gráfico num registo hiper-realista de Epting…
- … bem como a excelente edição, embora desta vez sem a inclusão de quaisquer extras.
 
Menos conseguido
- Quando se alcança o grau de realismo que Brubaker e Epting imprimiram ao “seu” Capitão América, uma personagem caricatural como o Caveira Vermelha acaba por surgir algo deslocada no conjunto.

  

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...