Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

16/10/2012

Capitán América - El hombre que compró América

 
 
 
 
 
Colecção Marvel Deluxe - Capitán América #8
Ed Brubaker (argumento)
Steve Epting, Mike Perkins, Roberto de la Torre, Rick Magyar, Fabio Laguna (desenho)
Frank D’Armata (cor)
Panini Comics (Espanha, Setembro de 2012)
175 x 265 mm, 152 p, cor, cartonado
16,00 €
 
 
Resumo
Compilação dos comics Captain America vol. 5, #37 a #42, da edição original norte-americana, consolida Bucky Barnes/o Soldado Invernal como o novo Capitão América, não sem que antes ele tenha de defrontar alguém com as mesmas aspirações, ao mesmo tempo que os planos urdidos pelo Caveira Vermelha são finalmente derrotados.
 
Desenvolvimento
Este tomo é o último do tríptico que narra o assassinato do Capitão América, no final da Guerra Civil que abalou o universo Marvel, e os acontecimentos subsequentes que levaram a ajustes importantes no seu seio.
Por isso, não deve ser lido isolado, mas como fecho de uma longa saga iniciada em “La muerte del Capitán América” (Colecção Marvel Deluxe - Capitán América #5) e que prosseguiu em “El peso de los sueños” (Colecção Marvel Deluxe - Capitán América #6), da mesma forma que este meu texto precisa também do complemento do que escrevi atrás sobre os outros dois tomos, até porque evitei repetir as ideias até agora expressas.
Nele, Brubaker continua a sua reconstrução do mito do Capitão América, revisitando ou evocando diversos momentos da sua cronologia para dar consistência à narrativa, que vai orientando entre o conflito com os seguidores do Caveira Vermelha e as cenas dialogadas em que Bucky tenta justificar a opção de vestir o uniforme do herói caído, num crescendo de tensão que culmina num confronto entre dois capitães América!
E se a linha condutora de Brubaker – e a sua mestria narrativa – se mantêm ao longo de toda a saga, bem pensada, delineada e exposta, pena é que a participação de Steve Epting tenha passado a ser intermitente, com a imagem gráfica a ressentir-se bastante e o traço a tornar-se rude e até indefinido, sem o cunho hiper-realista que o caracterizava e ajudava à ligação entre a ficção de super-heróis e a realidade, pois são vários os aspectos quotidianos nela incluídos.
Em jeito de resumo, como ideia central, fica a forma como Ed Brubaker destrói, justifica, releva e restaura o mito, encerrando um ciclo e abrindo as portas para outro novo. Porque, se este é concluído de forma no mínimo competente e, algumas vezes, mesmo brilhante, deixa também as pontas soltas suficientes para que tudo possa continuar.
 

4 comentários:

  1. " Por isso, não deve ser lido isolado, mas como fecho de uma longa saga iniciada em “La muerte del Capitán América” (Colecção Marvel Deluxe - Capitán América #5) e que prosseguiu em “El peso de los sueños” (Colecção Marvel Deluxe - Capitán América #6), da mesma forma que este meu texto precisa também do complemento do que escrevi atrás sobre os outros dois tomos, até porque evitei repetir as ideias até agora expressas."

    e finalmente a Marvel anunciou a continuação dos Ultimate Colection que reune os 3 volumes num só. :D

    "Bucky tenta justificar a opção de vestir o uniforme do herói caído, num crescendo de tensão que culmina num confronto entre dois capitães América!"

    O cliche do Costume usado desde antes da Queda do Morcego,para mostrar o poder de fogo e promover o "novo" Cap/Buck,e dizer bem alto que ele é mais Muito mais Fixe que o Steve.

    ResponderEliminar
  2. Olá Optimus!
    Já tinha saudades dos teus comentários! ;)
    Eu também prefiro edições integrais. Por isso tenho mais TPB do que comics... Claro que juntar todo este arco num só volume, é o ideal, mas nem todos os mercados comportam uma edição desse género...

    Quanto à segunda transcrição, não concordo com a tua análise. No caso presente Bucky tenta perceber se merece o legado de Steve Jones/Capitão América e o confronto dele é com um capitão dos anos 50, "ressuscitado" pelo Caveira Vermelha...

    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  3. "Eu também prefiro edições integrais. Por isso tenho mais TPB do que comics... Claro que juntar todo este arco num só volume, é o ideal, mas nem todos os mercados comportam uma edição desse género..."

    E ainda fica mais barato cerca de 17 €s,é uma especie de pague 2 e leve 3. :D

    "No caso presente Bucky tenta perceber se merece o legado de Steve Jones/Capitão América e o confronto dele é com um capitão dos anos 50, "ressuscitado" pelo Caveira Vermelha..."

    Já foi feito algo semelhante com o Superpatriota/USA Agent Jonh Walker que mal surge enfrenta o Capitão e ser muito mais fixe,e cria-lhe duvidas,logo depois de alguns numeros enquanto o Steve está perante a Comissão de Assuntos Super-humanos que lhe dá 2 escolhas ou faz o que eles dizem ou tira o Uniforme,o que o Steve acaba por fazer,quem é o escolhido para ser o "novo" Capitão o Superpatriota/USA Agent Jonh Walker com um "novo" Bucky entretanto o Steve parte em uma viagem atraves da America,com uma nova identidade com Nomade e Falcão,no fim do arco descobresse que a comissão era manipulada pelo Caveira Vermelha num corpo Clonado do Steve,e mais uma vez a um novo Confronto entre o "novo" Capitão e o Capitão original Steve Rogers,confrontp que Steve Rogers ganha e recupera tudo mais a chefia dos "novos" Vingadores da época,não é propriamente algo inédito a maior parte deste arco está neste tpb;

    http://www.amazon.com/Captain-America-Mark-Gruenwald/dp/0785149651

    ResponderEliminar
  4. Olá Optimus,
    Sim, vivam os TPB!
    E sim, na Marvel como na DC, muitas das histórias são revisão ou reconto de histórias mais antigas. O que por vezes difere e as torna mais apetecíveis, é a qualidade como essa "reciclagem" é feita.
    Boas leituras!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...