Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

10/09/2012

Lance #4

Volume 4 (de 4)






Warren Tufts (argumento e desenho)
Libri Impressi (Portugal, Julho de 2012)
235 x 335 mm, 88 p., cor e pb, brochado com badanas
26,50 €


1.       Confesso que a leitura deste tomo me provocou sentimentos contraditórios. Daí, também o atraso na publicação deste texto.
2.      Que, de qualquer forma, recebe o destaque que merece, pois marca o regresso de As Leituras do Pedro ao seu ritmo normal, com predominância das recensões sobre as notícias e os fait-divers, ritmo esse que afrouxou durante o período de férias.
3.      (Por isso, esta semana – e possivelmente também na próxima – conto mostrar por aqui muitas e boas páginas de edições de BD que vale a pena ler).
4.      A primeira reacção, foi positiva, pois este volume encerra a publicação integral de Lance, iniciada por Manuel Caldas há meia dúzia de anos.
5.      Se o facto já merecia realce em Portugal, onde tal raramente tem acontecido, merece destaque maior sabendo-se as condições artesanais (mas apaixonadas) em que Manuel Caldas trabalha.
6.      Pois demorou apenas cerca de meia dúzia de anos para (em simultâneo com outros projectos) restaurar a pureza do traço original, o seu fabuloso colorido, o seu brilho e a capacidade de deslumbramento de quase três centenas de pranchas, reunidas numa edição que desse ponto de vista merece todos os encómios.
7.      (E cuja qualidade e excelência valeram a venda desta “sua” edição de Lance a editores alemães e noruegueses, estando em estudo a sua edição também nos Estados Unidos).
8.     Edição que é também uma bofetada de luva branca em todos aqueles – e são (sempre) demasiados – que até agora não compraram Lance temendo que a edição ficasse a meio.
9.      É a esses (e alguns mais) que se deve a minha primeira decepção com este livro, pois possivelmente trata-se do último que Caldas editará em português, dado o exíguo número de exemplares que vende no país.
10.  Que, como habitualmente, deverá preferencialmente ser pedido directamente ao editor Manuel Caldas , porque ainda não foi distribuído, porque lhe permite recuperar mais do seu investimento em cada volume (e quem sabe repensar novas edições em português) e ainda terá direito a alguns “brindes”.
11.   Posto isto, entremos então na obra em si, notoriamente crepúsculo de um western de contornos clássicos, embora marcado por um forte humanismo e uma invulgar predominância dos sentimentos sobre a acção (ou como influenciadores da acção).
12.  Nele, é visível algum cansaço de Tufts (possivelmente já com outros projectos em mente) na mudança da estrutura das pranchas, até agora com três tiras, que passam a ser quatro, aproximando-as de um esquema próximo da “montagem” de tiras diárias em detrimento dos imensos painéis em que as vinhetas, muitas vezes, atingiam proporções assinaláveis.
13.  Com isso, há uma evidente perda de pormenorização do desenho e, embora o traço pareça surgir mais conciso, perde-se o esplendor dos grandes planos e a imensidão que tantas vezes caracterizava os cenários naturais do velho oeste.
14.  Em termos de narrativa, cuja análise hoje será breve, pois já a detalhei aquando da leitura dos tomos #2 e #3, na qual contornos ficcionais e base histórica continuam a ombrear, esbate-se um pouco a noção de saga que (também) marcava significativamente a diferença, devido ao facto de os episódios se tornarem mais curtos, auto-conclusivos e praticamente independentes entre si.
15.   Apesar dessa quebra na uniformidade que a narrativa até então apresentava, o protagonista, que continua envolvido nas questões políticas e activas decorrentes do confronto (mais diplomático do que bélico) entre os Estados Unidos e o México pela posse do Texas, não perde as suas características, continuando impetuoso, justo, determinado e (involuntário) Don Juan.
16.  As personagens mulheres continuam a marcar forte presença o que, a par do seu tom dramático e da tensão emocional que perpasse por muitas das suas páginas, tornam este western distinto, mantendo-o afastado dos estereótipos do género e uma leitura altamente recomendável.
17.   Nesta edição integral portuguesa. 

Nota final
Este quarto tomo de Lance fecha (praticamente) com uma explicação de Manuel Caldas para a sua paixão pela obra e sobre o trabalho de restauro que ela exigiu.
Um retrato breve (não restaurado!) da imensa paixão do editor pelos quadradinhos – por alguns quadradinhos, por estes quadradinhos.
Um retrato de leitura obrigatória para perceber como se perdem – se ganham, o que ganhamos nós! – 20 horas de trabalho aturado por prancha.
A única forma de ter em mãos, com esta qualidade, estas 261 pranchas (5200 horas, mais de 200 dias…) hoje. Hoje, como  momento em que Tufts as desenhou, com a qualidade (melhorada pelas técnicas de edição actuais) com que chegaram às mãos dos que primeiro as descobriram nas páginas de jornais.
Por isso, também por isso, muito obrigado Manuel Caldas.
Com a certeza de que, terminada esta tarefa hercúlea, de certeza que outra de qualidade similar, para nova proposta de leitura estimulante, já foi iniciada.
Há-de ter eco aqui.

2 comentários:

  1. Muito obrigado pela divulgação, pelos elogios e por tudo o mais.
    Muito obrigado e até sempre, seja em espanhol seja em inglês

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Caldas,
      A divulgação é imperiosa, os elogios justos. As Leituras do Pedro continuam à disposição para divulgar aos obras que nos deres a descobrir.
      Lamento que este seja o adeus em português, mas a qualidade do teu trabalho vê-se no traço restaurado e felizmente a imagem é universal.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...