Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

12/06/2012

Spirou – QRN sobre Bretzelburgo












Franquin (argumento e desenho)
Greg (argumento)
ASA (Portugal, Maio de 2012)
215 x 300 mm, 48 p., cor, cartonado
13,90 €


Resumo
Em busca de Fantásio, raptado por engano, Spirou parte para Bretzelburgo, um pequeno país que vive sob uma ditadura militar.

Desenvolvimento
Como muitos da minha geração, dei os primeiros passos aos quadradinhos com as revistas Disney e da Turma da Mônica e também com os álbuns de Astérix e Lucky Luke. Com estes, de certa forma, a BD franco-belga – minha principal futura referência - marcava terreno. Tintin, viria mais tarde. Spirou, também, mas em álbuns de Fournier – longe, portanto, dos seus melhores períodos – pelo que nunca constituiu para mim uma série de eleição.
Claro que, anos depois, descobri os álbuns escritos e desenhados pelo genial Franquin - muitos dos quais verdadeiras obras-primas que continuo a reler com deleite – assentes num humor delicioso, um imaginário fantástico e um magnífico sentido de aventura – sempre combinados em doses diferentes - mas já era tarde para que o groom e o seu colérico amigo Fantásio me pudessem marcar emocionalmente, limitando-se – e não é pouco – a uma forte impressão mais racional.

Este “QRN sobre Bretzelburgo” é uma daquelas jóias. Criado por Franquin – com uma mãozinha de Greg – logo após o magnífico interlúdio “Bravoles Brothers”, de certa forma arranca no mesmo tom humorístico, com um longo e irresistível gag em torno de um mini-rádio.
Este fará a ligação para a trama central, em que (aparentemente) predomina a aventura, narrada em ritmo acelerado, de cortar a respiração, com o foco da acção a saltar alternadamente entre os acontecimentos protagonizados em locais e condições diferentes por Spirou e por Fantásio, com uma assinalável mestria narrativa.
Mas, a este mote aventuroso - e por isso incluí atrás aquele “aparentemente” – sobrepõe-se e predomina neste álbum um tom profundamente irónico pois, a reboque daquele pretexto, Franquin e Greg aproveitam para ridicularizar não só os regimes totalitários – e na época eles eram muitos… - e as suas bases – militarismo, tortura, espionagem, delações, opressão… - bem como tudo aquilo que a eles possa ser de alguma forma associado, nem que isso seja a resistência, a luta pela liberdade ou as aspirações (legítimas) dos oprimidos, numa surpreendente subversão de uma banda desenhada grande público que era publicada numa revista infanto-juvenil…!

A reter
- A ironia, a mordacidade, o sarcasmo e o humor com que a dupla de autores retrata uma ditadura e os seus efeitos colaterais (como se diria hoje).
- O dinamismo e a agilidade do traço nervoso e expressivo de Franquin.
- A oportunidade da edição da ASA, repondo um título que entre nós tinha tido uma única edição – da Arcádia - há 35 anos.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...