Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

15/06/2012

Lorna - Heaven is here











Brüno
Glénat/[treizeétrange] (França, 30 de Maio de 2012)
170 x 248 mm, 160 p., preto,branco e laranja, cartonado com sobrecapa
17,25 €



Resumo
Depois do imenso sucesso obtido com Priaps, embora ensombrado por alguns efeitos secundários, o seu inventor é contratado pelo governo para desenvolver Monstrula, um projecto bélico sem precedentes.
Ao mesmo tempo, Henri Luxe-Butol, filho do dono da farmacêutica responsável pela comercialização de Priaps, tenta convencer Tamara da sua paixão por ela.
Só que tudo se complica quando surge uma ameaça extraterrestre consubstanciada por um robô gigante que…

Desenvolvimento
Como o resumo atrás deixa intuir, este livro é um a imensa homenagem aos filmes série B de horror e ficção-científica que tiveram o seu auge nos EUA nos anos 50 e 60. Por isso, não surpreende que Brüno preencha as suas páginas com as mais variadas citações, homenagens e piscares de olho – uns mais facilmente identificáveis do que outros – enquanto nos leva através de uma certa América.
Faltou-me – propositadamente – incluir no resumo acima, que Priaps é um extensor de pénis bem mais eficaz que o Viagra – apesar de alguns preocupantes efeitos secundários que provocaram a completa exaurição dos seus utilizadores - que a bela Tamara Teets é a maior estrela porno do seu tempo, que até tem cotação em bolsa (!), e que o robô gigante, de 40 metros de altura, tem a forma de uma deslumbrante loura… nua.
Ou seja, a par do tom folhetinesco, Brüno dota o seu relato com uma (ligeira) componente (de) porno (chachada), assumindo “uma BD de mau gosto reivindicado” como escreveu alguém, mas a que falta no entanto o toque de génio – que, por exemplo, Tarantino manifestou em Pulp Fiction – para transformar Lorna em algo mais que (simplesmente) uma leitura divertida.
Até porque – em parte devido às muitas referências – o ritmo e a sequência narrativa nem sempre funcionam da melhor forma, embora geralmente Brüno acabe por conseguir retomar o fio à meada e conduzir-nos através dos meandros da sua história, onde ressaltam algumas bem conseguidas sequências mudas e uma planificação bastante variada se bem que de matriz tradicional.
História que, apesar de tudo, como qualquer série B que se preze, apresenta alguns bons momentos, um toque de humor negro, paixões não correspondidas, cenas bem quentes, transformações surpreendentes, a busca do transcendente, alguns tiroteios – e respectivas vítimas, teorias conspirativas, combates épicos de robôs e lesmas monstruosas e um final que deixa tudo em aberto – na cabeça do leitor ou na hipótese de um segundo tomo. 
A reter
- A homenagem aos filmes série B.
- O traço de Brüno, simples, plano, depurado de pormenores, dinâmico, legível e que ganha bastante com a aplicação da terceira cor (laranja).

Menos conseguido
- A forma menos eficaz como Brüno geriu o excesso de referências, ressentindo-se disso o ritmo narrativo.



Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...