Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

18/06/2012

El Arte de Volar










António Altarriba (argumento)
Kim (desenho)
Ediciones del Ponent (Espanha, 14 de Maio de 2009)
170 x 240 mm, 208 p., pb, brochado com badanas
22,00 €




“El Arte de Volar” é um livro sobre voar. Voar nas asas do sonho, voar pelas ambições que temos. Ou, vendo melhor, é um livro sobre sonhos por realizar, falhanços e frustrações.
“El Arte de Volar” é um livro que traça um retrato – duro, realista, factual - da sociedade espanhola do século XX. Um período de 100 anos que abarcou duas guerras mundiais e uma civil e uma ditadura, com as inevitáveis consequências sociais: a pobreza, a falta de bens essenciais, o choque inevitável entre amigos, vizinhos e conhecidos, a repressão, a perseguição política, a delação, a emigração…
 “El Arte de Volar” é uma história de ilusões: a ilusão da cidade para quem vive (na miséria) no campo. A ilusão da técnica e da tecnologia para quem trabalha com as mãos. A ilusão dos ideais para quem vive em ditadura. A ilusão do estrangeiro onde se busca o que o país não dá. A ilusão do regresso ao país natal, quando o estrangeiro nos trata igualmente mal. A ilusão do conhecimento A ilusão da religião. A ilusão da amizade. A ilusão do casamento. A ilusão…
“El Arte de Volar” é uma obra adulta, que mostra a maioridade de um género narrativo: as histórias em quadradinhos.
“El Arte de Volar” é uma história universal, pois retrata uma realidade que foi de muitos (espanhóis) ao longo de décadas.
“El Arte de Volar” é uma história particular, a de António Altarriba Lope, pai do argumentista, que se suicidou a 4 de Maio de 2001. Voando – literalmente – pela primeira e última vez, num voo picado de uma janela de um 4º andar até ao pavimento da rua que o recebeu de braços abertos. Voando – metaforicamente – pela primeira e última vez, rumo à felicidade que nunca gozou – ou pelo menos liberto desse anseio que nunca concretizou, liberto de todas as (muitas) correntes com que (um)a vida (de frustrações e desencantos) o agrilhoou.

A reter
- O tom profundamente humano - e adulto - deste relato desenhado, um fresco magnífico de um século de vida(s) do país aqui ao lado que poucas vezes conhecemos como poderíamos (deveríamos?) conhecer.
- A forma como Altarriba - o argumentista - se identifica com Altarriba - o protagonista e seu pai - fazendo suas as suas dores, as suas mágoas, as suas chagas, as suas frustrações, o seu desencanto, mas sem nunca cair na lamechice, na autocomiseração ou no lamento fácil, optando, apesar de toda a carga emocional – que viveu e partilha com o leitor - por um relato factual e com algum distanciamento, que torna mais pungente e doloroso o que através dele transmite.

Menos conseguido
- De férias em Madrid, no Verão passado, tinha este livro referenciado e estive com ele na mão. Mas, devido ao desenho, acabei por não o trazer. Perdi – não tudo graças ao empréstimo que entretanto me fizeram (obrigado Petracchi!) – a oportunidade de o ler mais cedo. E de reconhecer que o traço de Kim, se não é especialmente vistoso, é de uma extrema legibilidade e soube despir-se das suas características mais caricaturais para transmitir o tom realista adoptado pela narrativa, dando a primazia a esta, sendo apenas o veículo que sustenta uma grande banda desenhada. Uma grande história tout-court, independentemente do género narrativo utilizado para a narrar.

Curiosidade
- Entre muitas outras distinções, “El arte de Volar” recebeu o Prémio Nacional de Comic 20120, atribuído pelo Ministério da Cultura espanhol. Justamente, em meu entender, independentemente das outras obras a concurso.




2 comentários:

  1. Parabéns Pedro, embora o tenhas lido com três anos de atraso! Essa do desenho te afastar da leitura é mesmo uma limitação. Algumas das melhores BD não têm desenhos por aí além, mas trata-se de BD, não de pintura, não é? RC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro RC,
      Mais vale tarde do que nunca. A vida é feita de escolhas e não me arrependi de nenhuma das que fiz na altura.
      A BD não é pintura, sem dúvida, é uma combinação indivisível entre texto e desenho. Mas também é verdade que é este último que primeiro se impõe. E não obrigatoriamente pela sua beleza.
      E estou plenamente de acordo, pois algumas das melhores bandas desenhadas que li, não são especialmete atraentes do ponto de vista do desenho. Mais, alguns dos autores que mais admiro, não sendo especialmente dotados para o desenho, são excelentes naradores aos quadradinhos.
      Boas leituras... de bandas desenhadas "bonitas" e "feias"!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...