Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

29/06/2012

As aventuras de Philip e Francis #1

Ameaças ao Império











Pierre Veys (argumento)
Nicolas Barral (desenho)
Gradiva (Portugal, 2005)
240 x 310 mm, 56 p., cor, cartonado
7,50 €

Antecipando a leitura de “A Armadilha Maquiavélica”, segundo tomo de As aventuras de Philip e Francis, recém-editado pela ASA, recordo o que escrevi sobre o tomo inicial da série, aquando da sua edição em português.

Numa sátira ou o satirizado é pouco conhecido e o efeito perde-se, ou é muito popular e aquela tem que ser muito bem conseguida para se aguentar.
Veys e Barral enfrentaram o segundo destes desafios ao criarem "As aventuras de Philip e Francis", leia-se Philip Mortimer e Francis Blake, os célebres Blake e Mortimer criados por Edgar P. Jacobs, um dos monumentos da BD franco-belga. E com sucesso, embora sem atingir o nível de obra-prima do original, faltando-lhe um desenho um pouco mais cuidado (e merecendo uma mais cuidada legendagem na edição portuguesa).
Philip, mantém a misoginia de Mortimer, a que acrescenta um surpreendente sentido de humor, a falta de sentido do ridículo e a necessidade de emagrecer, que origina diversos gags bem sucedidos num curioso confronto com o fiel Nasir (presente tal como o (não tão cruel) Olrik).
Quanto a Francis, se não resiste aos encantos do belo sexo, mostra resquícios de uma infância mal resolvida.

O melhor do álbum é, no entanto, a sua ideia central - um comportamento incorrecto e inadmissível das "ladies" inglesas - e a sátira mordaz aos fleumáticos costumes britânicos, que transformam "Ameaças ao império" (Gradiva) num livro bem divertido, para além de imprescindível aos fãs de Jacobs, que nele descobrirão sequências bem suas conhecidas, mas divertidamente adulteradas.

(Texto publicado no Jornal de Notícias de 20 de Novembro de 2005)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...