Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

15/04/2012

Titanic (III) - À procura de Sir Malcolm













Rivière (argumento)
Floc’h (desenho)
Meribérica/Líber (Portugal, 1986)
210 x 290 mm, 48 p., cor, brochado


1.       Este é o terceiro tomo da chamada Trilogia Inglesa, que deu notoriedade a Rivière e Floc’h nos anos 1980, numa abordagem interessante e conseguida ao romance policial tradicional de influência britânica, assentea numa boa reconstituição de época, num registo linha clara depurada e luminosa, recheada de referências, pese embora alguma rigidez das personagens.
2.      A título de curiosidade, refira-se que os dois restantes tomos daquela trilogia, igualmente editados em português, são “O Encontro em SevenOaks”, que privilegia um tom mais inquieto e próximo do terror, e “O Dossier Harding”, que tem relações amorosas por pano de fundo.
3.      Na obra hoje em análise, o registo policial vai a par do de espionagem, servindo o Titanic como cenário no qual o protagonista, sir Francis Albany, procura no passado respostas para algumas questões que desde sempre o inquietaram.
4.      Isto porque o seu pai, o tal sir Malcolm do título, faleceu no naufrágio (injustamente?) acusado do roubo de uns documentos secretos, sendo por isso perseguido por espiões alemães e ingleses, o que acaba por levantar suspeições sobre muitos dos intervenientes.
5.      O relato decorre em ritmo lento, com as perguntas a acumularem-se e as respostas a parecerem sempre incompletas e insuficientes face às evidências que (aparentemente) se vão acumulando
6.      A isso há que acrescentar um toque fantástico fornecido ao relato pelo facto de a investigação de Albany ser feita em sonhos, num regresso ao passado e à trágica viagem que fez na companhia dos pais e da sua prima Olívia, ambos então apenas crianças, curiosas e traquinas.
7.      A sua investigação corre a par do relato – já conhecido – da viagem que levou ao naufrágio do Titanic, mas, apesar de ser bem sucedida e de tudo se deslindar, acaba por ter um desfecho bem surpreendente, que obriga a repensar tudo o que foi lido ou, pelo menos, a reinterpretá-lo à luz daquilo que as pranchas finais revelam ao leitor.

Nota
Sobre o mesmo tema ler também:

4 comentários:

  1. Muito interessante este revisitar de histórias em BD relacionadas, directa ou indirectamente, com o naufrágio do "Titanic", um dos temas que também me fascinam pela dimensão da tragédia... embora o filme de James Cameron não me tenha entusiasmado por aí além, apesar dos seus "rodriguinhos" e dos efeitos especiais para "encher o olho".
    A título de curiosidade, porque provavelmente não o conhece, cito um curto episódio, mais documental do que outra coisa, mas com alguns apontamentos interessantes, publicado no velhinho Ciclone (anos 60, creio), com o título "O fim do Titanic" e que foi desenhado pelo artista italiano Antonio Sciotti. Veja, se o tiver, o nº 314.
    Um abraço do
    Jorge Magalhães

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jorge Magalhães,
      Mais uma vez, obrigado pelo prazer da sua visita!
      Achei que esta ligação da BD a um tema da actualidade era interessante e procurei abordagens diferentes e, de alguma forma, de fácil acesso, Por isso optei pelo formato álbum e não por narrativas curtas, que também há muitas.
      E realmente não conheço a BD que refere, nem tenho esse número do Ciclone...
      Boas leituras!

      Eliminar
  2. O meu primeiro contacto com o "Titanic" foi aos seis anos. A propósito de Deus e da omnipotência divina, havia uma referência ilustrada ao seu afundamento no "Catecismo" que servia de manual aos candidatos à primeira comunhão. «Este barco nem Deus o afundará» - teria dito um dos seus construtores, estando nessa frase blasfema a causa primeira do choque com o iceberg.
    Entretanto, este post vai-me obrigar a ir ao baú dos arrumos procurar o meu exemplar da aventura de Sir Malcolm e, sobretuo o outro que é referido, “O Dossier Harding”. Não é uma história de amor toureiro com uma menina emocionalmente débil, passada no Languedoc? A minha memória remete-me para estas referências, mas tenho que ir procurar e reler.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro António Conceição,
      Agradeço a visita e a partilha das suas memórias...
      E estou satisfeito pelo facto de o meu texto lhe ter dado vontade de reler esses livros.
      No entanto, O Dossier Harding - que também aproveitei para reler...! - passa-se entre Londres e Brickney e não está relacionado com toureiros... Não estará a fazer confusão com "A sombra do toureiro", de Didier Savard, também linha clara e igualmente editado em português pela Meribérica?
      Boas (re)leituras... de livros que deixaram boas memórias!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...