Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

24/04/2012

Os nossos Mutts











Patrick McDonnell
Devir (Portugal, Fevereiro de 2012)
215 x 225 mm, 128 p., pb, brochado
12,99 €



1.      Há muito anunciada na caixa aqui ao lado, a das “Próximas Leituras”, esta nova colectânea de Mutts, a quinta lançada em Portugal pela Devir…
2.      (depois da sua introdução entre nós pela BaleiAzul de José Abrantes)
3.      … é mais uma daquelas edições imperdíveis, cuja recensão, por uma ou outra razão fui adiando.
4.      Desde logo, porque sei que tudo o que escreva sobre ela, será sempre pouco para justificar a frase que atrás deixei.
5.      Vou, mesmo assim, tentar fazê-lo – devo-o aos meus leitores, à Devir, ao autor - embora com a premissa (a consciência…) de que só a leitura do álbum permitirá assimilá-la na sua totalidade.
6.      Tira diária de imprensa, com protagonistas animais – o cão Earl e o gato Mooch – Mutts foge completamente aos habituais estereótipos do género.
7.      Primeiro, pela grande ternura que dela emana.
8.      Antes do humor, que é notável…
9.      Antes do nonsense que perpasse por todas as pranchas…
10. Antes da paixão pelos animais, que é evidente…
11.  Antes da poesia, que a distingue de qualquer outra tira diária – de qualquer outra BD? - …
12.  Mutts destaca-se pela enorme ternura com que McDonnell traça os dois animaizinhos, os seus donos, os outros animais (tigres, pássaros, caranguejos…) com quem se vão cruzando, e o seu quotidiano, simples, corriqueiro e banal mas sempre surpreendente e renovado, pleno de descobertas.
13.  Depois – de tudo o mais que entretanto atrás também referi – Mutts também se diferencia pelo facto de os protagonistas assumirem, indiferenciadamente, posturas animais ou (semi-)humanizadas, conforme as circunstâncias pedem.
14.  Enquanto animais, revelam-se curiosos, brincalhões, ingénuos, surpreendentes, imprevisíveis, revelando um desenhador fabuloso pela forma como plasma no papel, com traço enganadoramente simples mas de grande graciosidade e agilidade, os seus esgares, movimentos, corridas ou espreguiçadelas.
15.  Enquanto animais antropomorfizados (apenas na ausência dos donos), falantes (entre si), de comportamento semi-humano sem perderem o distanciamento do real que a sua animalidade lhes confere, podem ser sarcásticos, admiravelmente certeiros, incomodamente críticos e, mais uma vez, avassaladoramente ternos.
16.  Entre o cão e o gato…
17.  Entre a ingenuidade de Earl e a maldade felina de Mooch…
18.  Entre o sotaque deliciosamente parolo deste último e o linguarejar simples daquele…
19.  Entre a ignorância (intelectual) de ambos e a infinita sabedoria (de experiência feita – ou a fazer!) que partilham…
20. … ao leitor só resta escolher os dois.
21.  E levá-los para casa, sentar-se confortavelmente – se eles não tiverem já ocupado o sofá… - e desfrutar, vez após vez, das suas brincadeiras e tropelias, das suas aventuras e descobertas, com a certeza de boa disposição, de muita poesia, de uma imensa ternura e de uma sensação de bem-estar que raras leituras proporcionam.


2 comentários:

  1. Apesar de não conhecer a obra na íntegra, Mutts é a única tira diária que ainda vou lendo com alguma regularidade graças aos os motivos muito bem enunciados neste artigo.

    ResponderEliminar
  2. Olá Filipe,
    Bem-vindo aqui às minhas leituras!
    Mutts é uma tira fantástica, possivelmente só comparável a Calvin & Hobbes - apesar de todas as diferenças óbvias - no que a tiras de imprensa contemporâneas diz respeito.
    O que não invalida que, pessoalmente, num outro registo, também goste muito de Zits, que aconselho vivamente.
    Boas leituras... de tiras diárias!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...