Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

06/04/2012

Marjane Satrapi

“A banda desenhada é um meio de narração muito específico e muito especial”










Há cerca de 11 anos, aquando da passagem da iraniana Marjane Satrapi pelo XI Salão Internacional de Banda Desenhada do Porto, de que foi uma das convidadas e onde os originais de “Persépolis”  estiveram expostos, tive oportunidade de conversar com ela.
A propósito da recém-edição portuguesa, pela Contraponto, daquela obra de referência, aproveito para recordar essa entrevista com Satrapi, originalmente publicada no Jornal de Notícias de 7 de Outubro de 2001.

Jornal de Notícias – Como é que decidiu fazer banda desenhada?
Marjane Satrapi – A banda desenhada é um meio de narração muito específico e muito especial, a meio caminho entre o mundo das imagens e o mundo das palavras. Na literatura tudo funciona ao nível da imaginação e, por exemplo, no cinema, ao nível visual. A banda desenhada fica a meio do caminho entre ambas e funciona a nível visual, mas exige também o uso da imaginação para entender a sequência da narrativa. Gosto de desenhar e de contar histórias e, por isso, a BD é o meio de expressão que me convém.

JN – Não leu BD quando era pequena, pois ela não existia no Irão. Como é que descobriu esta arte?
MS – Descobri a banda desenhada quando cheguei a França há sete anos [1994]. A primeira obra que me marcou, lembro-me bem, foi “L’ascension du haut mal”, de David B., uma obra muito específica, muito gráfica, auto-biográfica, para adultos. Até então, a minha visão da BD limitava-se a Astérix, Tintin, Lucky Luke, muito caricaturais, humorísticas… Com “L’ascension…”, vi que se podiam fazer coisas diferentes, que se podia fazer BD para adultos. Depois encontrei pessoas como [Christophe] Blain, [Joann] Sfar, David B., [Emmanuel] Guibert, e a proximidade com eles e com as suas obras deu-me vontade de fazer BD. Embora inicialmente os achasse malucos. Eu fazia ilustrações para livros infantis e 13 ilustrações eram um livro. Em BD, 13 desenhos são uma ou duas páginas. Não percebia porque tinham tanto trabalho. Depois, descobri as possibilidades narrativas da BD e senti que era aquilo que eu queria fazer.

JN – Normalmente, diz-se que quem não leu banda desenhada em pequeno não sabe como a ler quando é adulto. Isso aconteceu consigo?
MS – Sem dúvida. Quando comecei a ler BD, primeiro, via todas as imagens, depois lia o texto todo, e depois é que olhava para o conjunto! Ler BD é uma coisa que é preciso aprender a fazer. Mas é como tudo.

JN – “Persépolis” é a sua primeira BD?
MS – Sim. Antes tinha sido grafista, tinha feito desenho de imprensa, algumas ilustrações para livros infantis, mas nunca tinha vendido nenhuns, porque tinha pouca autoconfiança e apresentava-me muito mal aos editores, desvalorizava as minhas próprias obras…

JN – “Persépolis” recebeu em Angoulême o “Alph-Art” para o melhor primeiro álbum. Isso foi importante?
MS – Foi muito importante num só aspecto: credibilizou-me aos meus próprios olhos. Fez-me acreditar em mim. Depois dele ganhei confiança e vendi facilmente os trabalhos que tinha feito anteriormente.

JN – Porque é que há tão poucas mulheres a fazer BD?
MS – A BD foi durante muitos anos uma leitura de distracção e era suposto as mulheres aprenderem a tocar piano e a distraírem-se e a cozinhar e não distraírem-se. Por outro lado, as heroínas apresentadas não eram mulheres com quem as leitoras se gostassem de identificar. A primeira heroína francesa, Bécassine, por exemplo, era um pouco pobre de espírito. As outras heroínas tinham grandes seios e pernas longas e também não eram personagens com quem as mulheres se identificassem. Portanto, a BD não era uma leitura que se destinasse a nós. E ainda há outro aspecto: a BD é um trabalho obsessivo e eu acho que os homens têm uma obsessão criativa maior do que as mulheres, que desde sempre tiveram de se preocupar com outras coisas, como tratar das crianças, etc.

JN – As mulheres trazem uma sensibilidade diferente À BD?
MS – Acho que não. A discussão é a mesma que em relação à literatura feminina. Acho que não há razão para fazer essa diferenciação. Alguém disse que a literatura não tem sexo e com a BD passa-se o mesmo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...