Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

10/01/2012

Auto da Barca do Inferno






Gil Vicente (texto original)
Laudo Ferreira (desenho)
Omar Viñole (cor)
Colecção Clássicos em HQ
Editora Peirópolis (Brasil, Agosto de 2011)
200 x 270 mm, 56 p., cor, brochado com badanas
R$ 35,00


1.       Confesso que não sou fã da utilização do texto integral de uma obra original numa adaptação em banda desenhada.
2.      Ou em qualquer outro meio, refira-se.
3.      Porque literatura, teatro, cinema ou banda desenhada são géneros narrativos díspares, com regras e códigos próprios – apesar de alguns pontos de contacto.
4.      Por isso, a transposição do texto integral de uma obra em qualquer daqueles géneros para outro, implica sempre a quebras das tais regras e códigos, provocando – no mínimo – estranheza e prejudicando a sua legibilidade.
5.      No caso do álbum presente, a situação agrava-se pois estamos a falar de um texto – magnífico! - com cerca de 5o0 anos, com todas as diferenças de significado e de grafia que facilmente se imaginam.
6.      Não quero com isto dizer que não entendo o conceito – que até pode ser louvável – que preside a esta opção: chamar a atenção dos leitores actuais para obras clássicas.
7.      Mas, mesmo tendo isso em conta, não me parece que a opção tomada seja a mais indicada. Passo a explicar porquê:
8.     Primeiro, porque o esforço a que obriga a leitura do português antigo, facilmente desencorajará o leitor de hoje. O ganho seria evidente, se a linguagem fosse actualizada e adaptada ao género narrativo escolhido, respeitando o espírito e os princípios do magnífico original de Gil Vcente.
9.      Depois, porque se um leitor comum tiver o desejo de descobrir o original videntino, dificilmente o procurará numa edição aos quadradinhos.
10.  Feito este preâmbulo, que já vai demasiado longo, passemos então à obra em si, a meu ver demasiado penalizada pela opção editorial de base, uma vez que, graficamente, Laudo Ferreira desenvolveu um trabalho que (quase) só merece elogios.
11.   Desde logo pela dinâmica e pela cadência de leitura impostas que – a espaços – conseguem contrariar as limitações de ritmo provocadas pelo português arcaico.
12.  Assente na expressividade física e gráfica das personagens, na planificação diversificada e no bom trabalho de cor de Omar Viñole.
13.  Também - e muito - porque o seu estilo caricatural se adequa às mil maravilhas ao tom mordaz e crítico do original de Gil Vicente, acentuando as características, qualidades e defeitos de cada uma das personagens-tipo – fidalgo, onzeneiro, parvo, sapateiro, padre, Brísida Vaz, judeu, etc. - falecidas que buscam a barca que as conduzirá ao paraíso (ou, na maior parte dos casos) ao inferno.
14.  Na verdade, vale a pena perder – ganhar, sem dúvida – algum tempo a apreciar com mais pormenor cada uma das personagens, com especial destaque para o barqueiro diabólico.
15.   Veja-se o seu olhar trocista e malévolo, o ar com que contesta as razões daqueles que recusam entrar na sua barca, a sua figura imponente, distinta e enganadoramente acolhedora, o ar triunfal após cada embarque no seu navio…
16.  O que no seu conjunto faz dele – bem como de muitos dos outros - uma personagem extremamente conseguida e que encarna na perfeição – acredito eu – o que o mestre português tinha em mente quando escreveu a sua peça teatral.
17.   E esse é outro trunfo desta adaptação, a forma como Laudo Ferreira conseguiu “encenar” no palco que são os quadradinhos da sua história, o texto teatral vicentino…
18.  … conferindo à BD um invulgar mas estimulante tom teatral – no excesso dos gestos, na pose declamatória tantas vezes assumida, na importância dada às expressões, na sua divisão em “actos”...
19.  Por isso, apesar do texto integral original, confesso que foi um prazer recordar desta forma o “Auto da Barca do Inferno”, embora reste a sensação de que, tendo sido outra a opção, esta adaptação poderia ter-se tornado uma obra de referência…
20.  Por isso, acredito que o aplauso à obra expresso por Gil Vicente, no final da “peça encenada” a que assiste ao lado de Laudo Ferreira, tem toda a justificação e teria certamente lugar se ele a tivesse podido ler, assim existissem já histórias aos quadradinhos quando escreveu a sua peça.
21.  A finalizar, fica a estranheza pelo facto de, num tempo em que (supostamente) existe um Acordo Ortográfico que (supostamente) serve para uniformizar a escrita entre os países lusófonos, uma obra baseada num clássico da literatura portuguesa, apoiada pela Direcção-Geral do Livro e das Bibliotecas portuguesa e pelo Ministério da Cultura português, não esteja disponível em Portugal…
22. (A exemplo do que acontece, a outro nível, com outros contornos, com  a ausência, no Brasil, das edições portuguesas de BD (da ASA) do grupo Leya, e na ausência, em Portugal, das edições de BD da filial brasileira da Leya…)


5 comentários:

  1. Este preto sobre cinza escuro é pouco legível. Paradoxalmente, se usar preto com UV sobre preto, fica mais legível e até com melhor aspeto.

    ResponderEliminar
  2. Artigo bacana, mas eu, particularmente, amo história e adorei essa alternativa! Elaine Luze Neto

    ResponderEliminar
  3. Bem-vinda, Elaine
    Obrigado pela visita e pela partilha.
    A minha, é apenas uma opinião, discutível como todas.
    Boas leituras!

    ResponderEliminar
  4. Estou inteiramente de acordo consigo. Em primeiro lugar, por esta obra de cunho tão original não ter chegado (ainda) aos escaparates portugueses; em segundo, porque teria certamente muito mais impacto se a sua linguagem (como bem referiu) tivesse sido actualizada, sem a preocupação de respeitar integralmente o texto original, ainda por cima num português arcaico que afasta os jovens (e não só) da sua leitura.
    Como sabe, também fiz várias adaptações de clássicos da nossa literatura (Alexandre Herculano, Almeida Garrett, Júlio Dantas), em colaboração com experimentados desenhadores portugueses (Augusto Trigo e José Garcês) e outros mais jovens (João Mendonça), e de muitos contos tradicionais, e nunca optei pelo caminho mais fácil, que seria aproveitar ao máximo a prosa dos respectivos autores numa espécie de reverência total ao seu nome e de fusão entre texto literário e banda desenhada. Porque, de facto, essas duas linguagens não se harmonizam e o uso e abuso do texto literário (como acontece frequentemente) dificulta o ritmo narrativo, empobrece a transposição gráfica (em vez de a enriquecer) e não cria a empatia necessária com os leitores, já de si avessos, sobretudo os mais jovens, a obras que consideram "maçudas", descontextualizadas da realidade moderna em que estão totalmente imergidos.
    Nos anos 50, no Brasil, a famosa colecção "Edição Maravilhosa" publicou muitas obras baseadas em clássicos da literatura brasileira, portuguesa e universal, mas sem fugir à regra dos copiosos textos narrativos, que quase "abafavam" as imagens e tornavam a leitura pesada e monótona (com raras excepções).
    Entre as edições portuguesas, recordo-me de uma adaptação de "Os Fidalgos da Casa Mourisca", em oito fascículos ilustrados pelo grande artista Carlos Alberto Santos, tão palavrosa que, mesmo para os jovens dessa época, os anos 50 do século passado, o nome de Júlio Dinis, autor da obra, se tornou sinónimo de "maçador". Ou seja, um mau serviço prestado à literatura e à banda desenhada (apesar dos esforços de Carlos Alberto para dar a essa adaptação um aspecto mais airoso). E este é apenas um entre muitos exemplos...
    Compreende-se que assim fosse no passado, em que havia a obsessão do texto literário, como elemento primordial (e educativo) de muitas histórias em imagens, mas actualmente não é com tais processos que se consegue despertar o interesse do leitor comum; embora, no caso deste "Auto da Barca do Inferno", recriado, com tanta originalidade, por Laudo Ferreira, o seu trabalho seja tão apelativo que valerá a pena atentarmos demoradamente na parte gráfica, saboreando desde logo o requinte com que abordou (como explica no seu texto) as pitorescas personagens de Gil Vicente. Bom seria, por isso, que o álbum surgisse também no nosso mercado...
    Um abraço do
    Jorge Magalhães

    ResponderEliminar
  5. Caro Jorge Magalhães,
    Obrigado pela interessante achega que fez ao meu texto.
    Pode ser que a dois, haja mais hipóteses de sermos ouvidos!
    Boas leituras... de boas adaptações de clássicos!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...