Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

05/07/2011

Fulù

Les Intégrales
Carlos Trillo (argumentista)
Eduardo Risso (desenho)
Glénat (França, Maio de 2011)
180 x 243mm, 248 p., pb, cartonado
15,00€

Resumo
Publicado inicialmente em 5 tomos coloridos, entre 1989 e 1992, a saga de Fulù, uma negra raptada em África e vendida como escrava no Brasil, surge agora pela primeira vez em versão integral e a preto e branco, um registo em que Trillo e Risso dão cartas.

Desenvolvimento
Esta é uma longa história – longa de 5 anos em tempo real da acção, longa de 5 tomos “tradicionais” franco-belgas, longa de mais de 240 pranchas. A história de Fulù, uma jovem africana levada do seu país para ser escrava no Brasil e a sua longa luta pelo regresso à sua terra natal.
A história de uma jovem negra, bela e sensual, dona de estranhos poderes – mágicos, místicos – que aos poucos vai descobrindo, desenvolvendo e aprendendo a usar em proveito do seu sonho: regressar à terra que a viu nascer e – sabê-lo-á apenas mais tarde – ao seu prometido.
Ao longo desta saga, desta longo périplo pelo Brasil e pela América Central, por terra e por mar, como cativa e como fugitiva, conta com Nder Saba, o seu espírito protector, que a vai guardando e guiando.
Guiando-a até ao seu destino, apesar dos múltiplos obstáculos e problemas que tem que enfrentar e vencer.
Guardando-a da luxúria dos homens – pois ela está reservada para alguém especial – e do ódio das mulheres – invejosas por verem o que ela faz aos homens -, guardando do medo, do rancor, do despeito, da vingança daqueles com quem se vai cruzando, daqueles cujo destino vai alterando, dando-lhes por vezes o que desejam, outras mostrando-lhes o que lhes está destinado.
Esta é uma saga em crescendo – de dúvidas, de intensidade, de mistérios, de respostas também – que Trillo vai desenvolvendo, dando ao tom aventuroso inicial (também) um tom místico e fantástico que se vai sobrepondo aquele à medida que o relato avança, prendendo o leitor à medida que o surpreende, envolvendo-o em dúvidas e curiosidade – da mesma forma que Fulù usa os seus poderes (e o seu corpo) para “enfeitiçar”, “controlar”, “dispor” daqueles que a rodeiam ou que a sua aura atraiu.
Ao mesmo tempo, Trillo traça um fresco cru e violento da época da caça aos escravos, em que negros e brancos eram diferentes, uns objectos outros senhores, e de uma forma de vida no Brasil, nas Américas, também em África, enquanto mostra como a Humanidade evoluiu tão pouco naquilo que a move e faz avançar (?): ódio, cobiça, desejo, luxúria, vingança…
Para isso criou uma vasta galeria de personagens, algumas obedecendo aos estereótipos esperados, outras ricas e interessantes, bem para lá de convenções, que dão o seu contributo – tantas vezes único, original e inesperado, para o desenvolvimento do todo.
A arte de Risso, neste integral a preto e branco despojada das cores da edição original que em nada beneficiaram o desenho, surge na sua pureza, depurada, mais rica, mais intensa, em pranchas de claro contraste entre brancos límpidos e luminosos e negros profundos e sombrios, através dos quais traça personagens, cenários, adereços, tudo aquilo que serve para contar e fazer avançar a história.

A reter
- A forma como a arte de Risso se desenvolve ao longo da trama, soltando-se, (re)descobrindo-se, explodindo frequentemente em pranchas intensas e belíssimas!
- O crescendo do enredo de Trillo, com inflexões que surpreendem e prendem o leitor, mesmo que o ponto de chegada da narrativa seja algo díspar daquele em que ela se iniciou.
- A edição, magnifica e barata, ideal para descobrir o final de quem comprou os dois volumes editados em português.

Menos conseguido
- Alguns exageros caricaturais na caracterização – gráfica e psicológica – de algumas personagens…
- … em contraste com o facto de a maior parte delas fugir aos estereótipos que poderiam ser esperados, o que leva a lamentar o seu abandono, ou melhor a sua intervenção limitada, ao longo do relato

Em Portugal
Fulú foi uma das muitas séries iniciadas e nunca concluídas pela Meribèrica/Líber. Os dois primeiros tomos – O Sortilégio e A Dança dos Deuses - foram publicados em 1992 e 1994, respectivamente, a cores, nas variantes de capa brochada e capa cartonada e ainda hoje se encontram com alguma facilidade nas muitas feiras de saldos que actualmente se realizam um pouco por toda a parte.

4 comentários:

  1. Bom dia.

    Valerá a pena a aquisição destes dois álbuns de Fulù em português sabendo-se que a colecção é constituída por cinco?

    Obrigado pela atenção. Cumprimentos.

    Paulo Martins

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Paulo Martins,
      Bem-vindo a As Leituras do Pedro.
      A edição dos restantes 3 volumes é algo completamente improvável. Ler os dois primeiros, só se for a título de curiosidade, pois a história fica incompleta.
      Pessoalmente gostei mais da versão a preto e branco do que da colorida, por isso aconselho esta edição francesa (a quem a puder ler).
      Boas leituras... e pergunte sempre!

      Eliminar
  2. Pedro,
    Sou Brasileiro e não tenho encontrado as versões portuguesas para comprar. Por acaso você sabe algum sebo que tenha esses quadrinhos e possa vender com entrega no Brasil? Ou Você poderia me ajudar a obtê-lo com uma cópia escaneada? Estou pesquisando a traduçao desse quadrinho, mas está dificil achar a versão em portugues de portugal. Se puder pode me escrever por e-mail para conversarmos sobre isso: reisdennys@gmail.com

    ResponderEliminar
  3. Olá Dennys,
    Infelizmente não posso ajudar. Não conheço nenhum alfarrabista que venda para o Brasil.
    De qualquer forma, em Portugal só saíram os dois primeiros álbuns desta série.
    Boas leituras!

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...