Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

20/01/2011

Spaghetti – Intégrale #1

René Goscinny (argumento)
Dino Attanasio (argumento e desenho)
Le Lombard (Bélgica, 7 de Janeiro de 2011)
222 x 295 mm, 120 p., cor, cartonado, 24,95 €

Resumo

Este é o primeiro dos seis volumes previstos para a reedição integral das aventuras de Spaghetti, o herói criado por Attanasio e desenvolvido por ele e Goscinny, que fez a sua estreia a 16 de Outubro de 1957, nas páginas da revista Tintin.
Neste primeiro tomo, para além de um dossier da autoria de Jacques Pessis, que foca em especial o percurso de Dino Attanasio, estão incluídas 21 histórias curtas, de duas ou três pranchas, até agora inéditas em álbum, e ainda “Spaguetti et l’Émeraude rouge” (1959) e “L’Étonnante Coisière du Signor Spaguetti” (1960).
Nas narrativas curtas, Spaghetti experimenta diversas profissões (guia turístico, cozinheiro, barbeiro, músico, vendedor de tomates…), sempre com resultados catastróficos, apesar da sua boa vontade.
Em “Spaguetti et l’Émeraude rouge”, o herói italiano vê-se na posse de uma esmeralda, aparentemente portadora de uma maldição, que torna o seu possuidor um perigo para aqueles que contacta, surgindo um bando de gangsters que tenta tirar partido desse efeito.
Finalmente, no último relato, Spaghetti encontra-se a bordo de um barco comandado por dois bandidos que têm por objectivo recuperar o seu chefe e um grande saque numa ilha fora das rotas habituais, com o pormenor de cada um dos elementos da equipagem falar uma língua diferente…

Desenvolvimento
Li algumas histórias de Spaghetti, tenho uma mão cheia de álbuns que ele protagoniza e confesso que na minha memória não era mais que uma criação menor de Goscinny, contidamente divertida.
Claro que, quando se fala de “monstros” como Goscinny e se usa como termo de comparação Astérix ou (o melhor) de Lucky Luke, tudo o mais tende a parecer menor e pouco importante. Por isso, também, esta (re)descoberta de Spaghetti foi para mim uma agradável surpresa (e uma agradável leitura), constituindo as histórias, bem ritmada e sem tempos mortos nem acrescentos desnecessários, onde todos os elementos (desenho, diálogos, enquadramentos, pormenores) estão ao serviço do bom humor que nelas impera.
Desde logo, pelo sotaque italiano do protagonista que afecta a sua pronúncia e dá aos diálogos um exotismo e uma musicalidade diferente. Obrigando ao mesmo tempo a uma leitura mais atenta, que ajuda a apanhar melhor as piadas. Depois, pela boa exploração da repetição de situações, algo em que Goscinny era mestre, quase sempre com resultados hilariantes, destacando-se neste particular as histórias curtas (se lidas como um todo) e a primeira BD longa.
Finalmente, pela proximidade que o leitor sente com Spaghetti, um ser comum, bem-intencionado mas trapalhão, que, especialmente na sua fase inicial, enfrenta problemas semelhantes aos que nós também temos.

A reter
- Mais uma vez, a qualidade da edição, em termos gráficos e editoriais, destacando eu, neste último aspecto, a indicação da data e local de publicação de cada história.
- E, claro, a obra em si.
- A possibilidade de descobrir as primeiras histórias de Spaghetti.
- Como já aqui tenho referido várias vezes, uma das vantagens destas edições integrais, são a possibilidade de analisar a evolução das séries. No caso presente, veja-se, por exemplo, como se foram reduzindo os atributos capilares de Spaghetti.

Menos conseguido
- O preço, quando comparada com outras edições integrais francófonas que oferecem mais páginas, custando sensivelmente o memso.

Curiosidades
- Attanasio usou-se a si próprio como modelo para Spaghetti.
- A descoberta, no dossier, de que Attanasio foi o primeiro autor a desenhar Bob Morane em BD. Num estilo realista, portanto.
- A presença, em diversas pranchas, de um minúsculo Spaghetti segurando o respectivo número ou a palavra “Fim”.
- Alguns “visitantes especiais”, também eles então heróis da revista “Tintin”, que surgem na última prancha de “Signor Spaghetti fait du cinéma”: Modeste, Pompom, Prudence Petipas…

Spaguetti em PortugalSpaghetti fez a sua estreia em Portugal em 1965, na revista Zorro #157, como a história “O rali do senhor Macarrão”, sendo este último Spaghetti, e tendo Pomodoro sido rebaptizado como… Ravioli!
Regressaria quatro anos depois, já na revista Tintin, onde foi presença regular ao longo dos anos, incluindo o número especial anual de 1978, embora nunca tenha sido um dos seus heróis de referência.
Apesar disso, a divertida criação de Attanasio e Goscinny teria diversas edições em álbum no nosso país, a começar por dois títulos na Íbis – “A Vida Dupla de Pomodoro” e “Spaghetti na Feira”- entre o final dos anos 1960 e o início da década seguinte.
Mais tarde, em meados da década de 80 do século passado, a Distri voltaria ao simpático italiano, com quatro títulos: “Spaghetti em Veneza”, “Spaghetti em Paris”, “O tesouro da Pirâmide” e “Viva Spaghetti”.
Finalmente, já no ano passado, Spaghetti protagonizou o segundo álbum da colecção “Clássicos da Revista Tintin”, lançada pela ASA juntamente com o jornal Público, que continha três aventuras: “Spaghetti e os quadros a óleo”, “Encontro de ciclistas” e “Spaghetti em Paris”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...