Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

09/12/2010

O amor infinito que te tenho e outras histórias

Paulo Monteiro (argumento e desenho)
Polvo (Portugal, Outubro de 2010)
165 x 225 mm, 70 p., pb, brochado com badanas


Conheci o Paulo Monteiro há seis anos, no 1º Festival de Beja – director de um festival e também autor de BD, uma dualidade que raras vezes tem funcionado bem entre nós. Depois de uns parcos mails e alguns telefonemas trocados ao longo destes anos, reencontrei-o em Maio último, no mesmo local.
A impressão que tinha dele fortaleceu-se. Alguém dedicado, empenhado no mais estimulante festival de BD do país – isto sou eu que afirmo – mas que não gosta das luzes do estrelato, mesmo que elas sejam apenas os pirilampos que alumiam a BD neste país.
Agora, com a biografia inserida neste seu primeiro livro, descubro que também escreveu para a rádio e jornais, passou filmes de terra em terra, compôs música, tocou guitarra, foi professor de Geografia, participou em escavações arqueológicas, fez teatro de sombras e de fantoches e mais um largo etc. Mas de que destaco novamente: é director do Festival de BD de Beja e autor de BD. Mas agora com uma variante, ligeira mas fundamental: sensível. Um autor de BD sensível; de uma sensibilidade e uma capacidade de transmitir aos seus relatos um tom poético, íntimo, frágil, que raras vezes tenho encontrado em BD. De uma sensibilidade única que as poucas histórias desenhadas que tinha lido dele, soltas e esparsas em publicações diversas, não me tinham permitido descobrir, confesso.
Por isso, o meu obrigado à Polvo, do Rui Brito, pela edição deste livro.
E, claro, ao Paulo, também, por não ter desistido em nenhuma das muitas vezes que isso lhe passou pela cabeça, como desvenda – expondo-se duplamente – nos (poucos…) excertos do seu diário que concluem o livro e que permitem intuir, sentir a sensação de angústia que tantas vezes o atacou face ao papel em branco ou já rabiscado.
Volto ao livro, justificação destas linhas, para dizer que sim, Paulo; ele, o livro, faz todo o sentido, a sua linha condutora é forte e perfeitamente perceptível, feita do amor, da ternura, dos sentimentos fortes e nobres que nutre pelos que lhe são próximos. E que o Paulo soube expressar magnificamente – e, sim, sem ser lamechas! - numa linguagem mista de texto e desenho que poucas vezes vi assim (tão bem) usada neste registo.
E volto ao livro, mais uma vez, para destacar, porque é de inteira justiça fazê-lo, entre a dezena de histórias incluídas, a que dedicou ao pai – “Porque este é o meu ofício” – súmula do que atrás ficou escrito, dedicatória em vida a alguém que lhe é muito importante, exposição extrema (mas pudica e contida, como tudo no livro) do autor perante o pai, perante os leitores. Uma narrativa que toca, que mexe com os sentimentos e que faz pensar o que fazemos nós com os nossos pais, com aqueles que amamos.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...