Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

10/09/2009

11/9 - Septembre en t'attendant

Colecção écritures
Alissa Torres (argumento)
Sungyoon Choi (desenho)
Casterman (França, Setembro de 2009)
170 x 240 mm, 224 p., cor, capa brochada com badanas


Resumo

Segunda-feira, 10 de Setembro de 2001. Após um mês no desemprego, Luís Eduardo Torres, um colombiano naturalizado americano, cumpre o seu primeiro dia de trabalho na Cantor Fitzgerald, uma financeira de Manhattan, cuja sede se encontra numa das Torres Gémeas. Um verdadeiro balão de oxigénio para ele e a sua esposa, Alissa, desempregada e grávida de sete meses e meio, com uma casa recém-adquirida e um empréstimo para pagar.
No seu segundo dia de trabalho, 11 de Setembro, num atentado terrorista, dois aviões comerciais atingem as Torres Gémeas – causando o seu posterior desmoronamento. Luís Eduardo Torres foi um dos que escolheu saltar pela janela e um dos 650 empregados da Cantor Fitzgerald que perderam a vida no atentado.
Avisada por telefone, sem outra hipótese devido ao trânsito cortado, Alissa vai a pé até ao local dos atentados, chegando no exacto momento em que uma das torres se desmorona. Depois de um dia de completo caos, segue-se a ronda pelos hospitais e pelas listas de sobreviventes, na esperança de encontrar o marido, e, mais tarde, a procura de ajuda financeira entre as organizações, governamentais ou não, que criaram fundos para o efeito.

DesenvolvimentoEsta novela gráfica, testemunho pungente e autobiográfico de uma situação que foi vivida por centenas, milhares de outras pessoas após o atentado, narra a vida de Alissa – a argumentista do livro – após a perda do marido, um parto prematuro e uma enorme (e compreensível) depressão , pondo o acento na situação desesperada, na falta de informação, primeiro, depois, na burocracia e desorganização que pautou a ajuda às vítimas. Que esqueceu, muitas vezes, a sua situação de vítimas, transformando-as em números ou em valores estatísticos, complicando o que deveria ser fácil, muitas vezes aproveitando-se delas para se promoverem, entregando-os à curiosidade mórbida da comunicação social... Pelo meio – e talvez seja o aspecto mais interessante, embora tratado no livro de forma acessório – fica a forma como parentes, amigos, conhecidos ou simples anónimos, progressivamente se foram afastando de Alissa – das outras vítimas colaterais também – deixando de perceber (esquecendo…?) as suas razões, o seu sofrimento, a sua necessidade de ajuda.
O relato de Alissa, apesar de se espraiar demasiado nas sequelas do trama vivido, é bastante contido e retrata com uma força invulgar, por vezes capaz de emocionar o leitor, o desespero de quem, de repente, vê a sua vida completamente transformada, devastada, perdendo a hipótese de concretizar tantos sonhos, que nos vão sendo revelados na forma de flashbacks.
Flashbacks que servem também para recordar como Eduardo e Alissa se conheceram e, mais do que isso, para contar como ele chegou aos Estados Unidos, perseguindo o sonho americano, como conseguiu sobreviver e impor-se num mercado de trabalho adverso. Flashbacks que servem à autora para rever momentaneamente o seu marido vivo, e que justificam como ela conseguiu, no final do ano negro da sua existência que o livro cobre, encontrar na força e no exemplo de Eduardo, a força e a inspiração para reencontrar a vontade de viver.
Entregue a Sungyoon Choi, ilustradora e banda-desenhista do New York Times, o desenho, de traço fino e realista, com a base fotográfica bem diluída no todo, apesar de uma planificação variada e de uma boa legibilidade, não deslumbra nem prende especialmente, apesar de um ou outro pormenor mais conseguido. Se o tom azul utilizado em quase todo o livro, juntamente com o preto e branco, não cativa, acima de tudo, falta-lhe a emoção, os sentimentos, que o relato pedia.

A reter
- A força documental do relato, mostrando que este é um campo em que a BD (também) pode ser utilizada.
- Se soa estranha a quase total ausência do filho de Alissa no relato, especialmente como razão para continuar a viver e como (quase) única recordação (palpável) do marido, isso é – interpreto eu – mais um sinal da situação desesperada que ela viveu.

Menos conseguido
- Possivelmente a obra ganhava – em ritmo e capacidade de prender o leitor – se fosse menos extensa.
- O desenho de Sungyoon Choi.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...